La Paz é a cidade mais populosa da Bolívia, e fica a 3.660m de altitude. Normalmente faz frio, e no inverno a temperatura pode ficar negativa.

Nós saímos de Copacabana de tardezinha, e a viagem até La Paz levou cerca de 3 horas de ônibus. Seguem algumas fotos do trajeto:

Caminho entre Copacabana e La Paz (ao fundo o Lago Titicaca)

Balsa entre Copacabana e La Paz

Entre Copacabana e La Paz será preciso atravessar uma balsa; enquanto o ônibus da companhia vai por um barco, os passageiros descem e pegam um barquinho, pagando uma pequena taxa por isto.

Barco que faz a travessia de pessoas entre Copacabana e La Paz

mais uma

Por recomendação de um brasileiro que conhecemos em Copacabana, nos hospedamos na primeira noite no Hotel Torino. Fujam de lá. A diária mais baixa era de Bs. 35, mas esse não era o problema; não havia agua quente, apesar da promessa dos funcionários de que bastava esperar entre 10 e 15min com o chuveiro aberto (por incrívl que pareça). Além disso, o banheiro era sujo, muito sujo. A única coisa boa foi que eles possuem funcionários que trabalham só com o turismo, então conseguimos agendar um passeio ao Chacaltaya, um pico a uns 30km de La Paz que possui 5.420m de altitude. Agendamos o passeio e fomos no dia seguinte; no dia da chegada andamos um pouco por La Paz, aproveitando para comprar roupas de frio, já que depois de lá iríamos para Uyuni, no deserto, conhecida por temperaturas extremamente baixas durante a noite.

Passeio pelo centro de La Paz

...

La Paz

O passeio até o Monte Chacaltaya, com ida até a Isla de la Luna (desistimos deste último em razão do cansaço), custou Bs. 50 por pessoa (uns R$ 14). Saímos bem cedo do tal Hotel Torino (onde contratamos a empresa de turismo) já com as mochilas nas costas, a fim de encontrar outra hospedagem na volta do passeio. Mas essa história conto em seguida. Acho que em cerca de 1h30 ou 2h estávamos no monte, onde é preciso pagar mais Bs. 15 (+/- R$ 4,30) para entrar (na Isla de la Luna paga-se o mesmo valor). No caminho, que tem trechos muito altos e perigosos (lembre-se, La Paz está a uns 3.800m e o Chacaltaya a uns 5.300m), para-se para tirar fotos.

Caminho até o Monte Chacaltaya

...

Nosso carro era o branco

Entrada do "Club Andino Boliviano", no Monte Chacaltaya (aqui a 5.300m)

Depois de pagar a entrada você começa a subir, a pé, por um trecho de mais uma centena de metros, mais ou menos. É extremamente cansativo em razão da altitude, por isso caminhávamos, sentávamos, depois voltávamos a caminhar, etc. Leve água. Aqui o nosso querido guia nos ofereceu folhas de coca para mascar.

Chacaltaya, a cerca de 5.400m sobre o nível do mar (note as nuvens ao fundo)

O tal Club Andino costumava ser um parque de esqui, mas por falta de neve está fechado há muitos anos. Praticamente toda essa região, da entrada do parque até a vista na foto acima, costumava ser coberta por neve. Segundo o guia, há mais neve no verão (hemisfério sul), mas há muito não é o suficiente para esquiar; pra ser ter uma ideia de como costumava ser nos anos dourados, segue uma imagem do nosso bilhete de entrada, que possui uma fotografia da época.

Bilhete de entrada para o Monte Chacaltaya

Regressamos a La Paz, passando na volta pelo “El alto”, que é uma espécie de subúrbio (o nome é explicativo, fica no entorno alto da cidade boliviana).

El Alto

Pois bem. Como já disse, voltamos do passeio exaustos (desistimos da Isla de la Luna), e começamos a andar à procura de um albergue. Os três primeiros não tinham vaga (não fiz reservas), mas achamos um chamado Hostal República (http://www.hostalrepublica.com), que nos cobrou US$ 15, por pessoa, em um quarto para seis, com banheiro, água quente e uma pequena cozinha, com frigobar. Era bem localizado, confortável e limpo. Perto dali ficavam os famosos albergues Loki Backpackers e o The Adventure Brew, famosos pelas festas. De noite fomos pro Loki, onde há um bar e o pessoal costuma se reunir. É só bater na porta (mas depois de certa hora você é convidado a se retirar, em respeito ao descanso dos hóspedes). De lá, depois de conhecer muita gente, fomos pra outras duas boates, cujos nomes, por razões de álc… altitude, não lembrei de anotar.

Seguindo o roteiro, de La Paz fomos pra Uyuni (cidade ao Sul da Bolívia), onde fica o famoso deserto de sal. Conseguimos comprar as passagens de ônibus no próprio Hostal República, ainda em La Paz. A história fica pro próximo título.

Terminal de Buses de La Paz

-

-

>>> Até aqui:

  • Hospedagem (uma noite) no ruim Hotel Torino: Bs 35;
  • Passeio até o Monte Chacaltaya (+ Isla de La Luna): Bs. 50;
  • Entrada no Monte Chacaltaya (Club Andino Boliviano): Bs. 15;
  • Hospedagem (uma noite) no Hostal República: US$ 15.

Obs1: Em La Paz considere visitar, além do Monte Chacaltaya, a Calle (rua) Sagarnaga (onde há muita informação turística e lojas de todo tipo — um bom ponto de início), o Parque Laikacota (vista panorâmica), a Plaza, o Museo e a Catedral de San Francisco, entre outros. Se possível, faça a reserva do albergue com antecedência. Uma vez alojado, converse com os funcionários a respeito dos bons lugares a visitar.
Obs2: Nossa moeda vale bastante na Bolívia, por isso há muita gente que prefere ficar em bons hotéis, bem como pagar mais caro pelos ônibus mais confortáveis.

About these ads